Oficina de Silicone, novo sucesso do LAB da Vila Itororó

Imagem principal: 

 

A primeira oficina de Modelagem de silicone na Vila Itororó aconteceu no dia 14/06/2016 , ministrada pelo técnico César Garcia. Com duração de 4 horas, o curso reuniu cerca de 10 alunos, que ficaram muito entusiasmados e satisfeitos com a possibilidade de criar moldes utilizando o silicone, podendo realizar assim projetos pessoais e até mesmo fazer deste curso uma capacitação profissional.

 

 

Os materiais utilizados nesta oficina foram: Silicone para fazer os moldes, catalisador de silicone, plastilina colorida utilizada a fim de criar apoio para as peças e como barreira para que todo o material depositado não escorra. A DU PLAST, uma resina de poliuretano de cura rápida, foi outro material importante para a conclusão do processo, utilizado para reproduzir as peças a partir do molde de silicone.

  

No primeiro curso utilizamos peças já modeladas que estavam no laboratório. Futuramente, a ideia dos técnicos da Vila Itororó (Alice e César), é transformar este curso de curta duração em um curso de média duração com carga horária de 16 horas, trazendo assim a possibilidade dos usuários modelarem seus próprios protótipos e imprimirem estes na impressora 3D, podendo utilizar essas peças na criação do molde.

 

 

Os usuários foram auxiliados a escolherem modelos possíveis para realizar moldes abertos, ou seja, de uma só peça compondo o negativo (chamada tecnicamente de "tacelo"). Após essa escolha, foi aberta uma placa de plastilina plana para posicionar as peças em cima, cercadas de “paredes” de plastilina plana, com o intuito de não vazar o material que viria posteriormente, como já citado. É importante que a plastilina seja de uma cor diferente da cor do silicone para não confundir os materiais. Uma vez estabelecida a distancia das paredes até a peça (que não pode ser muito grande para não desperdiçar silicone, nem resultar num molde muito grosso) o material é depositado. Utiliza-se uma balança para que o usuário possa medir o peso do silicone, dentro de um recipiente, e é colocada uma quantidade de catalisador equivalente a 2,5% do peso do silicone medido. Depois de misturar com uma espátula chata esses materiais, são feitos movimentos em forma de “8”, para evitar a formação de bolhas. Após estes processos, enfim o silicone é despejado dentro das paredes, até cobrir totalmente a peça.

 

 

 

Por fim, é necessário esperar que a reação química se complete e o silicone seja totalmente endurecido. Então é retirada a plastilina e a peça de dentro deste aposto. Com o negativo de borracha criado, só resta preparar a resina, quase da mesma maneira com que é preparado o silicone, desta vez pesando componentes A e B separadamente (100% de A e 70% de B). O material é misturado e despejado dentro do molde vazio. Uma vez endurecida a resina, é desmontado o molde.

 

Podem ser utilizados diversos outros materiais para a reprodução, tais como: gesso, gelo, resina cristal, poliuretano expandido e até mesmo chocolate, como faz uma usuária do FAB LAB, entre muitos outros.

 

 

 

A fim de facilitar o curso de Modelagem de Silicone, o técnico César criou um projeto através dos seus conhecimentos de Modelagem e impressão 3D. Para que o produto depositado em volta do protótipo não se espalhe. Batizado de Moldeiro, ele substitui o uso da plastilina para as paredes, o que agiliza o processo. Após a impressão 3D, o técnico fez todas as etapas citadas a cima e obteve um molde que facilitou os cursos e a vida de quem utiliza a modelagem de Silicone, diminuindo o preço da mão de obra e o tempo investido no processo!